Rio de Janeiro – Choque de Desordem – Rio’s Schock of Disorder

O “choque de ordem” no Rio de Janeiro é um choque contra a pobreza visível.  Em áreas mais ricas da cidade, o CHOQUE DE DESORDEM também é visível.  A apropriação privada de áreas públicas não é de forma nenhuma questionada.  Fecham-se ruas e o acesso dos cidadãos à orla da lagoa – que continua imunda, diga-se de passagem.  Aliás, em sua maior parte a orla da lagoa foi totalmente apropriada por condomínios de alta renda.  E as tais autoridades fingem que não vêem, o Ministério Público nada questiona.

A imagem abaixo mostra apenas um exemplo dessa apropriação ilegal de espaços e vias públicas na Barra da Tijuca – talvez mais grave, porque a rua Prefeito Dulcídio Cardoso deveria interligar-se à Avenida Ayrton Senna, aliviando bastante tráfego local – já que grande parte dos veículos não necessitaria de acessar ir de um ponto ao outro através da Avenida das Américas, em particular num de seus trechos mais escandalosamente engarrafados, que é o “Cebolão”.

Num país sério, a lagoa estaria limpa e com estruturas para recreação de todos os tipos – caminhadas, ciclovia, esportes de vela, remo, e até a chamada recreação de contato primário (natação).  Mas que nada!  Se é possível cafetinar por mais tempo o assunto, por que resolvê-lo?  Ali não há casas de pobres a serem derrubadas – nem isso!  Seria apenas o caso de abrir a rua pública… ao distinto público.

Omissão, conluio, conivência ou apenas incompetência mesmo?

 

Apropriação privada de espaço públicos

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Rio de Janeiro e Choque de Ordem

Durou relativamente pouco tempo o tal do “choque de ordem” no Rio de Janeiro.  Não que ele tenha sido mal intencionado, mas não  houve persistência, perseverança, continuidade.  Passada a fase midiática, a Prefeitura mudou de assunto.  Ou não houve uma correta avaliação do tamanho do problema, da mesma forma que nas ocupações das favelas.

A população de rua no Centro do Rio de Janeiro é visível para qualquer um que resolva dar uma volta por lá a partir das 20 horas.  Mas essa população anda acordando tarde.  E a Centro, ficando sujo ate mais tarde. 

As fotos abaixo não foram feitas em nenhum subúrbio, mas em plena rua Pedro Lessa, quase esquina com a movimentada avenida Rio Branco, em torno das 9 da manhã de uma sexta-feira (recente).  Ali fica o imponente prédio da Justiça Federal, com o seu centro cultural.  E, a menos de uma quadra, o Teatro Municipal, a Biblioteca Nacional, a Câmara dos Vereadores – um dos mais lindos conjuntos arquitetônicos do Rio de Janeiro.

 

Esse tipo de coisa não se resolve só – ou nem principalmente – com “bolsa-família”.  Esse programa, concebido originalmente pelo Banco Mundial e adotado em muitos países da América Latina com diferentes nomes, tinha na sua origem o objetivo de assegurar o aumento da frequência escolar, dando às famílias o sentimento de que era bom “investir” na educação.  Sem os correspondentes investimentos massivos na educação pública de qualidade, o programa encerra-se no discurso populista e transforma-se num mega-curral eleitoral.  E as pessoas que se virem.

 ***

Falar do Rio de Janeiro lindíssimo é fácil.  De fato, o Rio é escandalosamente bonito.  Ressaltar essas mazelas que a todos doem, é chato, mas é imprecindível para que elas sejam sanadas.